3 de janeiro de 2011

Swing... e os clubes... e as pessoas...

 Voltamos a um tema... sobre o qual não somos nem queremos ser especialistas... por vontade própria e opção nunca fomos mas temos curiosidade... às vezes perdemo-la (e falamos a sério!!).
Falamos de clubes... de swing.
Este é um artigo baseado em opiniões de outros, de pessoas com quem conversamos, com quem partilhamos e que deixamos partilhar experiências boas e menos boas sobre o assunto.

Mas temos a certeza, neste como em outros assuntos, que não são os locais por si próprios, mas as pessoas que os frequentam, que os diferem para o bem ou para o mal.

Há quem encare uma ida a um clube de swing apenas como uma noite de diversão... para dançar, beber um copo, conhecer pessoas interessantes, quem sabe até algo mais intenso, mais intimo, mas não obrigatório!!
Há quem apenas pense na parte da intimidade e por isso vão ao clube e não concebem que estejam lá pessoas que vão apenas porque lhes encanta o ambiente mas que nessa ou nessas noites não lhes apetece nada mais. Simplesmente não entendem quem possa pensar de outra forma...
E eis a parte que nós não entendemos - o swing é sobre prazer, confiança, desejo e vontade de todos os envolvidos, sem julgamentos de valor... ou quaisquer outros.
E isto baralha-nos, assim como nos baralham pessoas que "oferecem" o parceiro apenas porque o desejo de estar com alguém é mais forte e a que não conseguem resistir.
Swing, na nossa opinião, não é uma forma de coleccionismo, é uma forma de prazer de ambos, nunca a imposição de um sobre o outro, do desejo e prazer individual mas sim e sempre o de ambos, mesmo que um dos envolvidos disfrute mais do que o outro.

Mas e porque não poderia ser de outra forma respeitamos tudo e todos, temos apenas o direito de não concordar com comportamentos deste tipo. Entendemos mas nada nos faz concordar com alguém que mesmo que diga que não!!! É "recrutado à força" para uma coisa que não quer mas simplesmente porque faz parte do seu "papel"!!!

Como dissemos no início é apenas um artigo de opinião. Vale o que vale!!

7 comentários:

Anónimo disse...

Concordo plenamente...
Partilhamos a mesma opinião...
Muitos parabens pelo blog, adorei ;)
kiss
Bela Fontes

Élio disse...

concordo, identificamo-nos plenamente...bom artigo

Corto disse...

Não sendo especialista nesta matéria (apenas um curioso sobre o assunto), subscrevo integralmente a vossa opinião.

sara disse...

Estamos claramente de acordo!
Sexo por sexo mas k haja empatia entre os casais!
E que ambos estejam de acordo, que ninguém entre no swing para fazer a vontade ao parceiro.

cris disse...

O verdadeiro swing não é só a partilha do corpo, mas de todo um ideal de vida, de empatias... concordo plenamente. Os laços relacionais devem ser amplificados, antes de que tudo o resto

cris disse...

Concordo plenamente
O swing, mais que uma partilha de corpos, de experiências e fantasias, é um acto em que as relações de empatia são a base para um apronfundamento do outro ser.

Anónimo disse...

Concordo perfeitamente.

Nunca fui a um clube em Portugal, mas pelo que sei não funciona tão bem já que há condição obrigatória de interagir e partilhar.

Por outro lado tivemos uma única experiencia em Barcelona, fora de série, num clube muito antigo local, com nórdicos.

Cada um teve apenas com a sua respetiva e trocou-se apenas caricias para fora de cada casal. Existiu nudez sem problemas e no fim cada casal entrou num táxi e desapareceu.

Não posso dizer que é a coisa mais divertida que nos aconteceu, pois gostamos mais de situações "menos montadas" e mais espontâneas como acontece fora do nosso pais, naturalmente.

Claro que depende da apetência e de como nos posicionamos. Achamos que se conseguem situações ainda mais divertidas e "jovens" pela circunstância (não pela idade dos envolvidos, mas pela espontaneidade e prazer atingido).

As obrigatoriedades que refere, acho que se enquadram melhor em meios profissionais e com certeza com melhores resultados.

Para o que gostamos, concordo na integra com o que refere.